quarta-feira, 30 de maio de 2012

Mês da Famíia - maio

No âmbito do projeto a Ler+ e do mês da família (maio) a Biblioteca está a receber Encarregados de Educação e outros familiares que se disponibilizem para ler.
A "Fátita", no dia do aniversário do seu filho Zé, surpreendeu-o com a leitura do conto:"A Surpresa da Ratinha".
Após a sessão de leitura, os alunos elaboraram trabalhos na sala de aula que vão ser expostos na sala de convívio.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

No âmbito do Projeto a Ler+, a professora Celeste leu a história:"O desejo do Lenhador" para os alunos do 2º e 3º anos.Esta atividade decorreu na Biblioteca, em regime de voluntariado, por parte desta colega já aposentada, indo ao encontro de uma das áreas de incidência do projeto.Uma vez terminada a sessão de leitura, fez-se uma breve exploração do texto e, ficou combinado com as professoras das turmas que, na sala de aula os alunos irão fazer um registo gráfico do mesmo.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Escritor do mês Maio

Garcia de Resende

Garcia de Resende (Évora, 1470 - Évora, 3 de Fevereiro de 1536) foi um poeta, cronista, músico, desenhista e arquiteto português. [1]
Sabe-se que em 1490 era moço de câmara de D. João II (1481-1495) e, no ano seguinte, seu moço de escrevaninha ou
secretário particular, cargo que exercia ainda em Alvor, onde o soberano veio a falecer. Coube-lhe ser designado
secretário-tesoureiro da faustosa embaixada liderada por Tristão da
Cunha
, enviada por D. Manuel I (1495-1521) ao Papa Leão X. Os últimos anos de vida passou-os
em Évora, onde era proprietário. Como muitos homens do Renascimento, Garcia de Resende tinha muitas
facetas: trovava, tangia, desenhava e julga-se que era entendido em arquitectura militar. Alguns historiadores consideram-no o iniciador do ciclo dos Castros,
pois as suas trovas referentes à morte de Inês de Castro são o mais antigo documento poético
conhecido versando sobre o assunto. Escreveu a Miscelânea em redondilhas, curiosa anotação de personagens e
de acontecimentos, nacionais e europeus. Mas o que o tornou conhecido foi o Cancioneiro Geral, publicado em 1516, que reuniu as composições poéticas produzidas nas
cortes de D. Afonso V (1438-81), D. João II e D. Manuel I, tendo-lhe redigido um prólogo
dedicado ao príncipe D. João e composto as quarenta e oito trovas com que encerra a obra.

Obras:
Cancioneiro Geral (1516)
Breve
memorial sobre a confissão (1521)
O
sermão dos três reis magos (1536)
Vida e
Feitos del-rei D. João II (1545)
Crónica
de D.João II (1545)
Miscelânea
e variedade de histórias (1554

Livro em destaque no mês de Maio



Rodrigo Guedes de Carvalho
(Nasceu em 1963, no Porto)


Em 1997 recebeu o Prémio Especial do Júri do Festival
internacional FIGRA, em França, com uma Grande Reportagem sobre
urgências hospitalares. Estreou-se na ficção com o romance Daqui a nada (1992) vencedor do Prémio Jovens Talentos da ONU.

Elogiado pela crítica, foi
considerado uma voz incontornável da literatura portuguesa.

Foi co-argumentista do tele-filme Alta-fidelidade, exibido na SIC, e argumentista da longa-metragem Coisa Ruim, filme que mereceu honras de Abertura Oficial do Fantasporto 2006.
É ainda autor da peça de teatro Os Pés no Arame, levada à cena em
Lisboa em 2002.

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Notícias de Ciência

Astrónomo mostra que há cada vez menos estrelas no Universo

Orca branca adulta é avistada pela primeira vez

Segredos dos vulcões de Marte revelados

É o efeito paraquedas que salva gatos de grandes quedas

Qual o potencial solar do seu telhado?

Até quando vamos ter água boa para beber?

Hernâni Maia: Um químico que constrói casinhas de bonecas

Descoberto o sangue mais antigo de sempre, com 5300 anos

Descobertas 24 novas espécies de lagartos nas Caraíbas

Europa avança para missão às luas de Júpiter, à procura de vida

Detectada nova partícula no CERN                           










Cientista da Semana


Johann Balmer


Matemático suíço que, ao estudar os espetros luminosos emitidos pelos gases incandescentes, chegou empiricamente a uma equação matemática, que foi designada com o seu nome, que permitia calcular o comprimento de onda das quatro riscas espetrais, já conhecidas, do átomo de hidrogénio.

Balmer nasceu em 1825, em Lausanne. Foi professor em Basileia. Matemático de formação e de vocação, não tinha muitos conhecimentos de Física. No entanto, incentivado por Hagenbach-Bischoff, professor da Universidade de Basileia, iniciou a investigação dos espetros luminosos que o levou, aos 60 anos de idade, a publicar a equação de Balmer. Esta equação teve grande importância no desenvolvimento da teoria atómica e na espetroscopia atómica. Ele predisse, também, para os átomos de hidrogénio, a existência de uma quinta risca na zona do visível e de outras fora desta zona e apresentou equações para descrever as linhas espetrais dos átomos de hélio e de lítio.

Faleceu em 1898.